Skip to content

.

Quando penso coisas para escrever, tudo some da minha mente. Sou invadido e levado a um singelo estado de assombro e admiração, um medo bom.

Um ser incomparável, imenso, dono de tudo e de todos. Um carpinteiro, jovem, sábio, amável. Um Deus! Um Homem… Imortal, que morreu como o pior de todos os errantes.

Eis o mistério da cruz, Eis o sentido da vida!

Trindade. Três que são um. Um que entregou a si mesmo por todos.

O que pensar diante de alguém assim? Não há como prever ou contestar o seu amor. Sua presença? É doce e tão real que posso sentir o seu cheiro. Dono da vida, meu dono. Senhor, mestre e amigo. Meu ajudador.

Está no trono do universo. Está dentro de mim. O olhar inocente de uma criança, a dor de uma mãe que perde seu filho, as árvores que estão no campo, o pulo de um gato. Tudo cheira a Deus, tudo tem jeito de Deus.

As palavras são vãs. Os sentimentos incapazes de expressar. Meu esforço em entender? É inútil, eu desisto. Pensamentos, ações, convicções… Tudo se perde diante de tal majestade.

Com o coração humilde. Cercado e tomado por temor e admiração. Disposto a servir a esse Rei, apenas consigo falar baixinho. Sou Grato.

 

Pedro Vasconcelos

Anúncios

Mundo Virtual, Prisão?

Há algum tempo venho pensando a respeito desse mundo virtual. Tenho percebido que grande parte da população da terra vive duas vidas. Uma vida real, de trabalho, família e afazeres corriqueiros e outra vida virtual, altamente artificial, onde as pessoas não lhe conhecem de fato e onde tudo é muito possível.

Fico pensando em como toda essa tecnologia e os novos meios de comunicação agem. Separam as pessoas. Seu melhor amigo passa a ser uma máquina. É melhor, para muitos, ficar em casa, ao invés de ter amigos reais. Os amigos virtuais assumem um papel muito mais legal do que um amigo real. Os valores começam a ficar invertidos.

Toda essa interatividade me deixa preocupado. Já não nos relacionamos da maneira certa com as pessoas. Cada vez mais existe um relacionamento superficial.  As vezes falamos com pessoas que nem sabemos quem são, não sabemos sua índole, nem tampouco suas reais intenções, acha-se que existe real proteção atrás de um computador. Cada vez mais as coisas são feitas ‘online’ e não de verdade. Isso me preocupa.

Sabe, já pensei em excluir essa minha vidinha virtual. Claro, existem inúmeras vantagens em se manter antenado no mundo virtual, benefícios na vida profissional,informação,etc. Mas ao mesmo tempo são tantas coisas toscas, que penso em me desfazer de tudo isso. Outra coisa que me deixa louco é saber quanto tempo as pessoas perdem em frente a esse computador. Eu mesmo, poderia estar lendo a bíblia. Cheguei em casa as 00:40 e são 03:40. Ainda estou aqui. É algo que se não tivermos cuidado, escraviza.

Vejo que temos que ter bom senso em tudo. Já tentei e consegui diminuir a minha presença nesse “mundinho”, mas sei que ainda perco muito tempo nele.Muitas outras coisas são mais importantes do que a internet e os relacionamentos virtuais superficiais e sem sentido.No mais, é bom ser equilibrado em tudo, sabendo usar essa ferramenta boa/ruim de um jeito proveitoso, tendo cuidado com as armadilhas e coisas sem necessidade.

Esse sou eu, compartilhando meus pensamentos sem utilidade.

Pedro Vasconcelos.

 

 

O PESO DO PASSADO E A GRAÇA DA CRUZ.

 

Estive pensando a respeito do passado e da sua enorme influência no decorrer de nossas vidas. Por vezes nos pegamos pensando em algo que passou, não importa que seja bom ou ruim, sempre voltamos, por algum motivo, a pensar no passado. Depois de lembrar de alguns fatos que ocorreram comigo, pensei o que a palavra fala a respeito do passado, e lembrei de um texto bem conhecido, onde o apóstolo Paulo afirma: “Uma coisa eu faço:esqueço aquilo que fica para trás e avanço para o que está na minha frente” (Fp 3:13;NTLH).

Certa pesquisa afirmou que o ser humano passa mais de 50% da sua vida pensando no passado. Quando vi essa informação, prontamente pensei: “isso é perda de tempo…”. Não há como perder tanto tempo assim, lembrando do que passou, é como se o ser humano necessitasse da lembrança do passado para continuar o presente e projetar um futuro.

Não há problema com o passado, afinal de contas, ele aconteceu, e tendo sido ruim, deve-se tirar boas lições, e obter experiência. Mas começa a ser errado cultuar o passado, no sentido de não viver o presente e ter medo do futuro, tudo isso por conta de más experiências. Não podemos viver assustados com esse fantasma.Veja o texto onde o apóstolo falou claramente, devemos esquecer o que se passou, e viver o presente com os olhos voltados para o alvo.

Tudo foi consumado na cruz e a graça adquirida não pode ter um baixo proveito para nós. Nosso Jesus sofreu horrores para que eu e você tivéssemos a liberdade, alcançada só pela graça, pois não merecemos. Não pense que você é o pior dos piores, por que não é. Estamos todos no mesmo patamar, e se você prestar atenção na bíblia, as pessoas com as quais o nosso Cristo fazia questão de conviver eram pessoas tidas como ruins. Eram prostitutas, cobradores de impostos, cegos, aleijados, leprosos, famintos, pecadores, cativos, possuídos por espíritos imundos e toda sorte de pessoas de má fama.

O que isso quer dizer? Que sempre há esperança para o pecador, só pela graça, não por merecimento. Uma pessoa que possa ser considerada pura, hipoteticamente, pois não há um justo sequer, não é melhor que um drogado, ambos são carentes da graça de Cristo, precisam da mesma forma do amor que redime dos pecados e gera novidade de vida.

Existe uma história que ilustra muito bem o fato de viver com os olhos no passado, não aproveitando as bênçãos do presente e tendo medo do futuro. Certo monge estava sendo perseguido por um tigre faminto. Certa hora, o monge chega a um desfiladeiro.Fim da linha.Não havia mais aonde ir, até que ele avista uma corda pendurada no desfiladeiro, e rapidamente se joga e começa a descer por essa corda. Logo abaixo estava um vale cheio de pedras pontiagudas. O monge olhou para cima, e lá estava o tigre querendo devorá-lo, olhou para baixo e lá estavam as pedras pontudas, prontas para perfurar o seu corpo, mas ele olhou para frente, na pedra, e viu um morango maduro.Ele pegou esse morango, comeu e exclamou: “Nossa, esse é o melhor morango que já provei na minha vida inteira.”.

A situação do monge estava difícil. Ele olhou para trás e viu o grande tigre (o passado) que o ameaçava, olhou para baixo e viu as pedras(o futuro) que de fato iriam tirar a sua vida caso ele caísse, e teve medo. Mas olhou para o morango (o presente) e decidiu saboreá-lo, apesar da situação difícil. Ele escolheu não se preocupar nem com o passado, nem com o futuro, ele aproveitou o presente.

A mesma coisa acontece se ficamos olhando para o passado com lamentações por termos escolhido coisas erradas, ou se olhamos para o futuro e tememos não ser nada de relevante. Ficamos congelados. Paralisados. Deus não nos chamou para isso. Ele nos chamou para irmos adiante, esquecendo do que ficou para trás. Devemos aproveitar ao máximo o que Ele tem nos proporcionado hoje. Pessoas, trabalho, estudos, bens, mudança, amor… Somos cercados de coisas boas, todas elas dadas por Deus, não devemos desperdiçar nada. Muito menos a graça.

Se algo nos constrange, temos acesso ao trono da graça. Dele podemos receber perdão e paz para seguir adiante. E quanto ao futuro…Creio que se de fato escolhemos estar Nele, as coisas se resolvem. Por mais complicada que pareça a situação, sabemos que não há impossíveis para o nosso Senhor. Portanto, deixemos o que passou para trás, vamos seguir adiante, mudando sempre, para sermos melhores para Ele, pois a graça e o amor nos move a um relacionamento fundamentado na verdade, e onde há verdade há luz, e onde a luz as trevas não podem habitar.Nossa vida só será plena quando soubermos o que é conhecer Deus de perto, então, vamos correr rumo ao alvo.

Paz!

Pedro Vasconcelos.

Fim de ano

Mais um final de ano. Essa é a época do ano na qual eu consigo ver e quase consigo tocar em alguns elementos. É o período onde a falsidade se multiplica, onde o capitalismo é exageradamente alimentado, onde posso ver claramente as diferenças entre classes sociais, enfim, o final do ano é altamente o contrário do que deveria ser.

Começando pelo natal. O mês natalino começa com um tremendo corre-corre, pois é preciso comprar, comprar e comprar. As pessoas gastam rios de dinheiro em prol de algo que foi criado pura e simplesmente para saciar a fome do capitalismo. Não digo que é anormal comemorar uma data, nem que é errado, mas falo da forma como as coisas acontecem. De repente, todos são amigos, todo mundo é legal, e um falso “espírito natalino” entra na vida de muitas famílias, e o verdadeiro sentido do natal é esquecido.

É como se nós fossemos pessoas “do bem” por cerca de 15 dias. Todo mundo é bom, todos gostam de você. Mas, e o resto do ano, e todas as coisas que você escuta do seu chefe, ou da sua amiga de faculdade? Não seria bem mais legal se as pessoas fossem boas uma com as outras durante todo o ano?

Aqui em Recife, quando passo por determinados lugares, vejo pessoas pelas ruas, crianças brincando com latas, idosos deitados no chão, enquanto do outro lado da cidade, algumas outras crianças ganham brinquedos de última geração e pessoas fazem ceias de natal e ano novo, com variedades de comida e bebidas, enquanto muitos gostariam de ter apenas um prato de feijão.

Há algum tempo não tenho muita simpatia por essa época do ano, acho que é carregada de coisas falsas, começando pelo papai Noel e indo até as confraternizações chatas e enfadonhas.

Sempre é uma época na qual gosto de pensar em como levei minha vida, minhas atitudes, escolhas certas, escolhas erradas, coisas que falei e fiz… Gosto de lembrar do que realmente significa, não gosto de comemorar algo vazio, deve ter um significado. Jesus é o que importa e deve ser lembrado todos os dias, ao começar em mim.

Paz!

Maravilhosa Graça.

A graça de Deus é formidável. Por vezes me pego pensando em como um Deus tão ilimitado em poder, sabedoria e majestade pode aceitar uma raça tão egoísta e cheia de defeitos, como nós, os humanos. Somos por muitas vezes rebeldes, irritantes, donos da razão, hipócritas, mal-feitores, incompreensíveis , compulsivos, repugnantes, mercenários, enfim, o nosso caráter desviado nos leva automaticamente para longe de Deus.

Aí é que entra o mistério do amor de Deus. Graça e misericórdia. Porções diárias que podemos aproveitar ou não. Não sei vocês, mas quando penso no amor de Cristo, eu fico extasiado.Não merecemos absolutamente nada, mas ele nos ama. Amor se aceita, não é pra ser entendido.

A bíblia fala em Efésios 1.6, que Deus derrama sua gloriosa graça sobre nós em seu Filho, Jesus. A graça nada mais é do que um favor imerecido. Deus é bom e nos dá a oportunidade de rever nossas atitudes e idéias a cada dia e o mais legal disso tudo é que o amor que ele tem por nós, manifestos pela graça e misericórdia, nos leva a amá-lo. Quem o ama guarda os seus mandamentos ou seja, a nossa vida começa a ser transformada. O amor de Cristo gera mudança. Se você não tem mudado, observe se realmente está em Cristo, pois o amor Dele nos constrange de tal modo  que nos leva a uma vida voltada para Ele.

Muita gente pensa que, por conta da graça, podem fazer o que quiser. Existem pessoas que levam uma vida normal, sem nem se importar em agradar a Deus. Outros são relativistas e pessimistas, aceitam a sua maneira de vida e permanecem agarrados ao pecado, pois a mente já está cauterizada  pelo que é mal. Agradar a Deus, para esse tipo de pessoa, já não importa mais.

Uma coisa é certa. Não podemos abusar da graça. Deus não é bobo para ser manipulado. Ele é bom, em todo o tempo, mas também é justo, é santo e para estarmos junto a Ele, precisamos renunciar alguns procedimentos.Fico altamente agradecido pela graça diária, pela oportunidade de rever e mudar, e isso nos leva a querer mais e mais de Deus.Há uma diferença grande entre se conformar com o pecado e saber que é pecador, mas que luta contra isso. Tenho em mente que nunca devemos nos render, por mais complicada que seja a situação. Aproveite a misericórdia e a graça, pois não merecemos, mas Deus em sua bondade e amor, nos dá esse presente. Honre ao Senhor com a sua vida.

 

Confiando.

Confiança, no dicionário é explicada como sendo “fé que se deposita em alguém”.Estava pensando sobre essa palavra hoje e decidi escrever a respeito.Muitos dizem que atualmente não se deve confiar em ninguém, pois tudo está perdido, outros dizem que é difícil confiar e geralmente poucas pessoas merecem confiança.

Bem.Creio que a idéia central de confiança se encontra na bíblia, mais precisamente no Salmo 37.5 que diz, “ entrega o teu caminho ao Senhor, confia Nele e o mais Ele fará.”. Posso perceber que antes de confiar qualquer coisa a alguém ou confiar propriamente numa determinada pessoa, é necessário confiar em Deus, crendo que Ele é o único que de fato podemos confiar de olhos fechados, Tudo é decorrência disso.

Pesquisando na internet, achei um trecho bem legal que fala sobre confiança.

O grau de confiança entre duas pessoas é determinado pela capacidade que elas têm de prever o comportamento uma da outra. Tem como base experiências passadas que corroboram um padrão esperado, valores compartilhados percebidos como compatíveis. Também é “a expectativa que nasce no seio de uma comunidade de comportamento estável, honesto e cooperativo, baseado em normas compartilhadas pelos membros dessa comunidade”.

Diante disso podemos imaginar diversos tipos de confiança. Tipos que vão sendo desenvolvidos ao longo da vida. Existe a confiança entre pais e filhos, marido e mulher, entre amigos, entre irmão de sangue, entre irmãos em Cristo.

Penso que para quem tem um pensamento baseado em Deus e que passa pelo filtro da bíblia, confiar é algo bastante particular, pois quem segue de fato a palavra de Deus sabe que devemos amar os nossos irmãos, bem como os que não são filhos por adoção em Cristo e ainda os nosso inimigos. Não tem como viver desse jeito sem confiar em Deus primeiramente.

No mundo que estamos inseridos de fato é complicado confiar. O que mais vemos nas novelas, filmes, na vida ao nosso redor é a traição, logo concluímos que não é fácil confiar e não devemos confiar em qualquer pessoa. A coisa anda tão séria que existem igrejas onde a palavra é deixada em segundo ou terceiro plano e coisas absurdas acontecem. Pessoas traindo outras nos relacionamentos, sejam eles namoro, noivado ou casamento, pastores traindo pastores, irmãos lutando um contra os outros. Virou uma bagunça. O mundo tem entrado na igreja, e uma das coisas que tem sido abalada é a confiança.

A confiança desenvolve-se com o relacionamento. Conhecimento. Devemos escolher de quem queremos ficar perto. Devemos observar o comportamento das pessoas, as mudanças, como era e como é atualmente. Nunca devemos cair no jogo sujo do inimigo, nunca devemos usar o termo “trair” em nosso vocabulário.

Confiar em Deus é primordial, a decorrência é ter amor por Ele e pelo próximo, e a medida que amamos o próximo como a nós mesmos, aprendemos a confiar, e a não ferir com traições.As pessoas no mundo acham isso normal, mas os bons costumes não podem ser deixados de lado, é preciso rever. Não é uma questão apenas do Cristianismo, é questão de caráter.Precisamos resgatar o nosso caráter, para impactar as pessoas com o que há de melhor em nós e isso só pode ser conseguido em Deus.Portanto não se amolde ao mundo, confie em Deus e tudo será conseqüência dessa confiança. As pessoas ao seu redor poderão confiar em você e você poderá confiar nelas.

 

Paz!

 

Pedro Vasconcelos.

 

LUTANDO CONTRA A RELIGIOSIDADE

O termo “religiosidade” tem sido amplamente utilizado no meio Cristão. Muitos usam essa palavra como sinônimo de frieza espiritual. Estava pensando nisso nas últimas semanas e percebi que a religiosidade vai muito além disso.

Em primeiro lugar a religiosidade, o apego pela religião e suas práticas, matam o homem que quer de fato se relacionar com Deus. Pessoas religiosas tendem a ser tradicionais demais, espirituais demais, tendem a querer ser melhor que os outros ou fazer questão de estarem sempre corretas em todo e qualquer posicionamento.

Falando especificamente do relacionamento com Deus, que é o que realmente importa,ser Cristão, como a palavra de Deus cita é muito mais do que apenas ser acostumado com algumas práticas. Exemplificando, existem pessoas que pensam que pelo fato de irem para igreja aos domingos, por não fumarem, beberem, roubarem ou cometerem qualquer outro tipo de pecado mais “comprometedor”, estão indo bem no relacionamento com Deus.

Existem pessoas que pelo fato de fazerem algo dentro da igreja, e só por isso, acham que estão fazendo o que Deus quer. Não é bem assim. O relacionamento com Deus é muito mais efetivo e profundo que isso. Uma vida religiosa, leva a uma normatização de preceitos e princípios, bem como uma relativização das coisas que nos cercam. Tudo passa a ser normal, não há nada demais em tomar algumas atitudes, afinal de contas, todos fazem, “é normal”. Não. Um Cristão verdadeiro leva a sério a idéia de ser santo, separado para Deus. Há uma diferença gigante entre pecar e viver pecando.

Alguém que serve a Deus de forma obrigacional ou religiosa, nunca poderá experimentar o dinamismo que é ter um encontro e um relacionamento genuíno com o espírito de Deus. Vai muito além de pertencer a uma denominação tradicional ou renovada, vai muito além de usar calça ou saia, é muito mais que apenas fazer as coisas por costume.

É muito fácil identificar alguém que age religiosamente. Em primeiro lugar, a pessoa e as suas atitudes são bem semelhantes ao que encontramos no mundo. O jeito de lidar com o que vem de Deus, geralmente, é bastante superficial e limitado, levando a uma vida vazia e simples diante de Deus. Não há prazer em servir na casa do Senhor e raramente dá-se bom testemunho a respeito de Cristo. Tudo se torna normal e frio, não há uma alegria intensa em servir e pertencer ao Senhor.

Não pense que isso não pode chegar até você. Por que quando amamos mais os nossos prazeres do que a Deus, quando pecamos desenfreadamente e nem nos damos conta disso, quando escolhemos trilhar o caminho errado, quando os estudos e empregos são mais importantes que Deus, quando o próprio Deus deixa de ser o centro de nossas vidas, quando lemos a palavra e oramos por obrigação, quando servimos com preguiça, quando não falamos do amor que nos move, quando desobedecemos, quando escolhemos viver uma vida errada mesmo sabendo do caminho correto, enfim, quando pensamos mais em satisfazer o nosso ego e não pensamos no nosso Senhor, estamos sendo religiosos.

Eu poderia citar várias outras características. A religiosidade tem entrado na igreja e realmente tem paralisado o corpo de Cristo. As pessoas não ligam mais para o que vem de Deus e o que procede do maligno, as atitudes não exalam o perfume de Cristo. Decisões erradas e vontades próprias reinam. Não se deixe dominar pelas coisas desse mundo, não tome a forma do mundo, seja santo, separado, se está difícil, não desista, lute, permaneça. Deus dá graça e a misericórdia se renova a cada manhã gerando reconciliação, portanto não se entregue.

Não seja um religioso. Leve Deus a sério, se você um dia decidiu segui-lo, faça valer a pena, morra para você e viva para Ele. Não é fácil, mas é preciso e é bom.Perca o controle da sua vida para Deus, seja efetivo no reino, lute contra o pecado e contra a frieza.Diga não aos procedimentos vergonhosos.Viva para Deus, relacione-se de uma maneira íntima com o seu melhor amigo, Jesus e afaste de você esse fantasma da religiosidade.

 

Graça e Paz.

 

Pedro Vasconcelos